terça-feira, 9 de junho de 2009

REEDITANDO

Esta semana, foi muito corrida, além disso, nesse fim de semana, me acabei na Festa Junina daqui do residencial, comi pé de moleque, maça do amor, dancei quadrilha.....uma delícia!! Pelo menos para mim que sou fã de Festa Junina mas, o fato é que, com a diversão da festa, e a corrida para a academia queimar os devidos pés de moleques consumidos, não tive tempo de escrever um poste legal, então, vou postar um texto que já tinha postado aqui, só que bem no comecinho do blog.Então espero que me perdoem, e até quinta faço um post decente!!! Espero que gostem!!!!




Se minha vida fosse....

Nascer na América Latina é viver numa novela . Em uma não, em em várias. Novela das seis, novela das sete, das oito, das dez. Novelas de época, dramáticas, românticas, engraçadinhas, ou cômicas. Mas, deixando a América Latina e as novelas de lado, e se sua vida fosse um filme?

Que tipo de filme ela seria? Uma superprodução? Uma aventura? Um romance? Ou uma comédia? Sua vida tem personagens fortes, amores impossíveis, conspirações? É musical, cheia de suspense ou pura ficção?

Meu filme teria tudo isso, só não seria uma obra de ficção, não nasci para ser fictícia, prefiro ser protagonista de uma história real, prefiro o delírio de uma vida bem vivida, do que o marasmo de uma vida inventada.

Lanço-me em historias de romances perfeitos, daqueles que liberam feromônios e que fazem a platéia soltar suspiros , amores impossíveis que fazem chorar, em comédias românticas para me divertir, em musicais para dançar e cantar até me acabar,em um filme de ação ininterrupta para ativar a adrenalina ou até em desenhos animados para descontrair.Só não sou um documentário! Documentários normalmente são entediantes!!!

Os coadjuvantes vêm e vão, alguns nem se vão, acabam simplesmente ficando ( eu adapto à história), outros nem aparecem em cena devido circunstâncias de entrada e saída da minha vida,( são os acontecimentos relâmpagos).

Alguns personagens que eu julgava serem bons se mostram verdadeiros fracassos (decepções), alguns personagens simplesmente não me fazem falta, outros que subestimei suas participações, foram uma surpresa absoluta e outros apenas ficam a espera da nova cena. Triste mesmo, é quando me deparo com os tais fracassados , eles resultam em rombos no orçamento , porque acabo tendo que modificar todo o roteiro. Eles me fazem perder um pouco o rumo do filme, uma coisa meio Star Wars, eu acabo me inclinando um pouco para o lado negro da força pelo charme da voz do Dart Veider,e me sinto como uma Bond girl,mas temos que admitir que todo vilão te seu charme, mas logo recupero a sanidade e volto para o lado bom da força. O problema é depois contabilizar os gastos com a adaptação no roteiro, e retomar o foco central.

Quando as coisas fogem do controle, paro a cena, grito, falo palavrão,fico vermelha e mando todo mundo embora, me ausento por alguns dias para colocar o enredo em ordem, sabe, para não virar um filme de Faroeste, ou Kung Fu ,um daqueles filmes onde nunca se sabe quem é o moçinho ou quem é o bandido? Então tiro essa folguinha para análise de roteiro.

Mas, nessa brincadeira, acabo deixando momentos menos grandiosos passarem despercebidos ( lapsos da continuísta aqui),não que eles sejam sem importância, é que as vezes meu olhar está em outro set de filmagem,naquele outro filme que está passando ali do lado, que tem um protagonista que tira meu fôlego, mas que servem de inspiração para verias cenas minhas, e algumas com a participação especial dele.

Por vezes me sinto dentro de um desenho animado, me encontro em uma das cenas da Liga de justiça, onde sou Mulher Maravilha, em uma das cenas da Dee Dee em o Laboratório de Dexter, até mesmo da Mandy das Terríveis Aventuras de Billy e Mandy. Tem dias até que chego a desejar ter super poderes, como os de He-Man: “Eu tenho a força!” ou dos Thundercats: “Dê-me a visão além do alcance!” ( quem não gostaria de ser uma mosquinha de vez em quando?) , ter Padrinhos Mágicos e a velocidade do Papa-Léguas.

Faço de uma simples saída pra comprar pão em uma fuga grandiosa com direito a conversível e vento lambendo os cabelos. Porque filme bom tem que ter várias cenas de ação e fuga, principalmente de uma protagonista que adora velocidade, melhor se for de conversível e com estilo. E transformo aquele beijo na porta de casa, em um torrencial beijo debaixo da chuva numa avenida grande e vazia, com direito a trilha sonora de arrepiar. Aquele tchau, vira um adeus, junto com choro e sentimento de que nada será como antes, e possivelmente não será, será melhor que antes!Por ser a protagonista e antagonista (dependo do ciclo menstrual, acredite ou não isso faz muita diferença) da história, tento ser cativante, educada, mas , santinha não, as santinhas estão no céu, não existe alguém cem por cento bonzinho, e quem disser que é, está sendo hipócrita.A atriz aqui tem suas crises , sejam elas pré- menstruais, existenciais , conjugais, dos 30, e às vezes , precisa de um tempo sozinha, em uma cena de um filme mudo.

E vou vivendo assim, á 24 quadros por segundo, em um filme em que personagens e coadjuvantes vem e vão, onde tenho a honra de ser protagonista, antagonista ,diretora, produtora, roteirista , continuísta, menos coadjuvante, não nasci para papéis pequenos, nem para papéis melancólicos, prefiro assim ,do jeito que é, com cenas de ação, emoção ,pastelão, romance,aventura e suspense. Com cenas surpreendentes e muita mas, muitas cenas cômicas, porque a atriz desse filme adora as cenas cômicas, e espero ter um Happy End,mas , até lá vou curtindo esse curta metragem, ainda inacabado, mas cheio de vida!

14 comentários:

UIFPW08 disse...

Parabens!!!

D.Ramírez disse...

Muito bom tata.
Se eu fosse um filme seria aqueles caipiras de casebre, mato na boca e prosa. Meio chato eu sei, mas tranquilo como a vida devia ser;)
Besos

Christi... disse...

Oi querida,

Amo tb esse período de festa junina, fui na do meu filho, comi caldo verde (nossa, coisa boa ), essas coisas mais..
O seu texto tem a sua cara, decidido, bem resolvido, e com aberturas para o novo.
Filmes e músicas que fazem moldura pelo que somos e fazemos tem tantos, que eu seria uma locadora, cada época, um filme, cada fase, uma música.

Beijos querida, aproveita os dias

R.Vinicius disse...

Oi Tatá.

Lembrou-me dos dizeres "A vida é um palco e tu o personagem principal da peça." Parabéns pelo texto. Obrigado pela oportunidade de lê-la.

Abraço,

R.Vinicius

tossan disse...

Essa Moça é fantástica mesmo! É de você que estou falando Tata. Eu também reedito, nem sempre dá pra fazer o novo de novo, não é? Mas valeu ler outra vez! Beijo de com de moleque e quentão! Não, prefiro um vinho...

PS: Fiz uma homenagem lá no Amigos em homenagem a Vivi, espero vc lá.
http://amigosnablogosfera.blogspot.com

Pelos caminhos da vida. disse...

Estou de volta e vim agradecer sua visita enqto estive ausente, obrigada.
Tem flores la pra vc.

beijooo.

Francisco disse...

O texto reeditado, às vezes tem outro sabor.
Quem não leu, aproveita a chance perdida. Quem leu, reflete melhor!
Como eu não tinha lido, aproveitei e refleti.
Um beijão!

Mai disse...

Tatá, 'petite poupée', cadê tu, mulher de Deus??? Cadê as histórias da Maria?
Tudo bem, melhor reeditares mesmo porque sentimos saudades de ti.

Mas prometestes histórias da Maria e só sairam duas.

beijos, querida.
Fica bem.

UMA PAGINA PARA DOIS disse...

Pegue um sorriso
E doe-o a quem jamais o teve.
Pegue um raio de sol
E faça-o voar
Lá onde reina a noite.
Descubra uma fonte
E faça banhar-se
Quem vive no lodo.
Pegue uma lágrima
E ponha-a no ânimo
De quem não sabe lutar.
Descubra a vida
E narre-a a quem não sabe entende-la.
Pegue a esperança
E viva na sua Luz.
Pegue a bondade
E doe-a
A quem não sabe doar.
Descubra o AMOR
E faça-o conhecer o mundo.

( Mahatma Gandhi)

Desejo um lindo final de semana com muito amor e carinho...
Abraços Eduardo Poisl

Escrevo Palavras e choro poemas disse...

Q bom q vc teve essa ideia de reeditar ainda não tinha lido, amei! bjus linda!

Desarranjo Sintético disse...

Bah, bem legal!
Não sei que tipo de filme seria minha vida, acho que a vida da gente vai se alternando, mas com certeza eu posso afirmar que teria partes de drama e de comédia, sem dúvida!

Abraços!

Segunda impressão disse...

Temos o privilégio de criar a nossa própria história, com nosso próprio roteiro e isso é realmente uma dádiva!
Tenho selinho pra ti, lá no blog.:)

C. disse...

Nao vejo problema em reedicoes, mas sim em textos loooooongos, tenho mó preguica de ler, sou adepta a poucas palavras, mas suficientes.

De uma certa maneira acho a maioria se enquadra em cenas parecidas, penso o segredo esteja na maneira como se vivem os capítulos, para o final da história ser menos ou mais interessante.

Tata disse...

C,minha querida,

Meus textos sempre foram e vão continuar sendo looooooongos!!!

É assim que eu escrevo, quem quiser leia, se não tiver paciência, nem perca seu tempo!!!!