segunda-feira, 6 de outubro de 2008

SE MINHA VIDA FOSSE UM FILME




Nascer na América Latina é viver numa novela .Em uma não , em várias. Novela das seis, novela das sete, das oito, das dez. Novelas de época, dramáticas, românticas, engraçadinhas, ou cômicas.Mas deixando a América Latina e as novelas de lado, e se sua vida fosse um filme?Que tipo de filme ela seria? Uma superprodução? Uma aventura? Um romance? Ou uma comédia? Sua vida tem personagens fortes, amores impossíveis, conspirações? É musical, cheia de suspense ou pura ficção?

Meu filme teria tudo isso, só não seria uma obra de ficção, não nasci para ser fictícia, prefiro ser protagonista de uma história real, prefiro o delírio de uma vida bem vivida, do que o marasmo de uma vida inventada.

Lanço-me em histórias de romances perfeitos, daqueles que liberam feromônios e que fazem a platéia soltar suspiros , amores impossíveis que fazem chorar, em comédias românticas para me divertir, em musicais para dançar e cantar até me acabar,em um filme de ação ininterrupta para ativar a adrenalina ou até em desenhos animados para descontrair.Só não sou um documentário!Documentários são chatos!

Os coadjuvantes vêm e vão, alguns nem se vão, acabam simplesmente ficando ( eu adapto à história), outros nem aparecem em cena devido circunstâncias de entrada e saída da minha vida,( são os acontecimentos relâmpagos).

Alguns personagens que eu julgava serem bons se mostram verdadeiros fracassos (decepções), alguns personagens simplesmente não me fazem falta, outros que subestimei suas participações, foram uma surpresa absoluta e outros apenas ficam a espera da nova cena. Triste mesmo, é quando me deparo com os tais fracassados , eles resultam em rombos no orçamento , porque acabo tendo que modificar todo o roteiro. Eles me fazem perder um pouco o rumo do filme, uma coisa meio Star Wars, eu acabo me inclinando um pouco para o lado negro da força,pelo charme da voz do Dart Veider,e me sinto como uma Bond Girl,mas temos que admitir todo vilão tem seu charme, mas logo recupero a sanidade e volto para o lado bom da força. O problema é depois contabilizar os gastos com a adaptação no roteiro, e retomar o foco central.

Quando as coisas fogem do controle, paro a cena, grito, falo palavrão,fico vermelha e mando todo mundo embora, me ausento por alguns dias para colocar o enredo em ordem, sabe, para não virar um filme de Faroeste, ou Kung Fu ,um daqueles filmes onde nunca se sabe quem é o moçinho ou quem é o bandido? Então tiro essa folguinha para análise de roteiro.

Mas nessa brincadeira, acabo deixando momentos menos grandiosos passarem despercebidos ( lapsos da continuísta aqui),não é que eles sejam sem importância, é que as vezes meu olhar está em outro set de filmagem,naquele outro filme que está passando ali do lado, que tem um protagonista que tira meu fôlego, mas que servem de inspiração para várias cenas minhas, e algumas com a participação especial dele.

Por vezes me sinto dentro de um desenho animado, me encontro em uma das cenas da Liga de justiça onde sou Mulher Maravilha, da Dee Dee em o Laboratório de Dexter, até mesmo da Mandy das Terríveis Aventuras de Billy e Mandy. Tem dias até que chego a desejar ter super poderes, como os de He-Man: “Eu tenho a força!” ou dos Thundercats: “Dê-me a visão além do alcance!” ( quem não gostaria de ser uma mosquinha de vez em quando?) , ter Padrinhos Mágicos , a velocidade do Papa-Léguas e a maleta do Gato Félix.

Faço de uma simples saída pra comprar pão em uma fuga grandiosa com direito a conversível e vento lambendo os cabelos. Porque filme bom tem que ter várias cenas de ação e fuga, principalmente de uma protagonista que adora velocidade, melhor se for de conversível e com estilo. E transformo aquele beijo na porta de casa, em um torrencial beijo debaixo da chuva numa avenida grande e vazia, com direito a trilha sonora de arrepiar. Aquele tchau, vira um adeus, junto com choro e sentimento de que nada será como antes, e possivelmente não será, será melhor que antes!

Por ser a protagonista e antagonista (dependo do ciclo menstrual, acredite ou não,isso faz muita diferença) da história, tento ser cativante, educada, mas santinha não, as santinhas estão no céu, não existe alguém cem por cento bonzinho, e quem se diz ser está sendo hipócrita, a atriz aqui tem suas crises sejam elas pré- menstruais, existenciais , conjugais, e de existência, e às vezes precisa de um tempo sozinha, em uma cena de um filme mudo.

E vou vivendo assim, à 24 quadros por segundo, em um filme que personagens e coadjuvantes vem e vão, onde tenho a honra de ser a protagonista, antagonista ,diretora, produtora, roteirista , continuísta, menos coadjuvante, não nasci para papéis pequenos, nem para papéis melancólicos, prefiro assim do jeito que é, com cenas de ação, emoção ,romance,aventura, suspense,com cenas surpreendentes e muita mas muitas cenas cômicas, porque a atriz desse filme adora as cenas cômicas, e espero ter um Happy End,mas até lá vou curtindo esse curta metragem, ainda inacabado, mas cheio de vida!
















14 comentários:

doug disse...

pelo título eu pensei que era aquele meme soundtrack que eu fiz no meu blog...

seu filme tá com cara de blockbuster! li num fôlego só. já comprei o ingresso!

Lella disse...

ai tata, brigada! teu blog tbm ta no meu coração.
um xeru neguinha!
^^

Carol disse...

Se minha vida fosse uma novela, seria uma novela mexicana! rsrsrsrsrsrs...
Se fosse um filme, seria como o seu tbm, com todos os gêneros, ação, comédia, aventura, drama...

Tata, brigada pelo selinho!! Eu AMEI!!! Próximo post eu coloco!!

Beeeijos!!

Tatah Marley's Confissões disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Tatah Marley's Confissões disse...

minrmã, se fosse um filme, já taria concorrendo ao oscar!
aksaksoakpskaoskpa
beijinhos ;*

isabelle dias ~ disse...

Olá querida!

Obrigada pelas visatas em meu blog, rs...
e pelo selo também, adorei mesmo viu?

;*

isabelle dias ~ disse...

"E vou vivendo assim, à 24 quadros por segundo, em um filme que personagens e coadjuvantes vem e vão..."

m u i t o b o m !

Je Vois la Vie en Vert disse...

Une petite poupée com uma vida cheia de acontecimentos !
Beijinhos verdinhos

Tarci disse...

Ah eu acho que se minha vida fosse um filme seria uam comédia. Tipo aquele filme do gordo e o magro huahuahua
Só trapalhada.
Beijos e parabens pelos selinhos!

Diego! disse...

Que texto bom. Adorei mesmo.
Engraçado... Sempre fico fascinado por personagens secundários. Adoro ficar imaginando a história que não é contada. Acho sempre que mereciam mais destaque...rsrs...acho que sou meio ´personagem secundário.

Adorei mesmo....abraço!

anderson eduardo disse...

Quando entra em cartaz...kkkkk... seria maravilhoso.... parabens pelos selos, sao mas que merecidos... valeu pelo presente.... abração e tudo de bom

MCI disse...

Ah! Que post mais FANTABULOSO, Tata!
Muito bom MESMO! Como viajei lendo isso aqui! =)
Sim, concordo com tudo o que você disse! (Há uma afinidade de pensamentos entre nós que é absolutamente confortável e quentinha!) Adorei especialmente o trecho:

"... em um filme que personagens e coadjuvantes vem e vão, onde tenho a honra de ser a protagonista, antagonista ,diretora, produtora, roteirista , continuísta, menos coadjuvante, não nasci para papéis pequenos, nem para papéis melancólicos..."

Sim, somos AUTORES! Atores, diretores, tudo! A magia está em NÓS e na maneira como optamos por escrever ou não nossos roteiros todas as manhãs!
Posso te contar um segredo? Toda vez que estou na rua (sobretudo na Paulista) e começa a chover, tenho vontade de dançar como Gene Kelly em "Singin´ in the rain"!
Rs.
Não é mesmo formidável? Estar num mundo todo cinza e, ainda assim, querer DANÇAR neste louco cenário de venturas e desventuras?
Acho que isso é coisa de quem opta deliberadamente pelo POSITIVO.
Sigamos nossos scripts, então!
Beijos, querida!
Os maiores e mais felizes que houver!

Marcos Campos disse...

Olá!!
Adorei o texto...meu filme seria uma coisa muita louca!!
Com a minha imaginação sobre as coisas...seria uma história meio como a da Amelie (que vc tem uma foto no seu blog)..ou seja, seria ótimo!!
Obrigado pelo selo!!
Ah! E realmente o dia estava maravilhoso naquele dia da foto da cadeira...céu azul, muitos amigos e boa conversa...
Beijos

Sonhadora... disse...

Somos os protagonistas de nossa própria história, então devemos vivê-la da melhor forma possível, é o noso fime real.

obrigada pelo selinho...adorei!

bjos!